Sobre Arquitetura – Tire Suas Dúvidas

o que é arquitetura

Olá, meu nome é Fernanda, sou arquiteta, e hoje resolvi esclarecer algumas dúvidas que sempre me perguntam e que eu vejo muito em fóruns e grupos de arquitetura, nas redes sociais, dúvidas sobre arquitetura que eu mesma tinha sobre essa maravilhosa profissão antes de me formar.

Mas, a minha intenção aqui é orientar tanto os estudantes que querem investir nessa carreira de arquiteto, urbanista e paisagista, quanto esclarecer quis são as atribuições dos arquitetos para quem tem pretende contratar um profissional para fazer seu projeto.

Porque eu sei que muitas pessoas ainda têm dúvidas sobre arquitetura, não sabem se contratam um arquiteto ou engenheiro, ou ainda se contratam um arquiteto de interiores ou um designer de interiores, justamente por ser uma profissão tão complexa e multidisciplinar.

O que é Arquitetura?

Quando eu entrei para a faculdade de arquitetura eu tinha uma breve noção de que o arquiteto era responsável por fazer projetos de edifícios e atuar na área de interiores, mas não tinha ideia de que urbanismo e paisagismo entravam no currículo de formação, na verdade eu confesso que nem sabia o que era urbanismo quando fiz vestibular para arquitetura. Sério mesmo!

Mas, eu ficava assustada e insegura com o que as pessoas me diziam quando eu respondia que tinha escolhido arquitetura como profissão, quantas vezes eu ouvi que arquitetos só podiam projetar edifícios de até 4 andares (falso), ou ainda que arquitetos só faziam decoração e era o engenheiro que projetava e construía casas e edifícios (super falso).

As pessoas viam a arquitetura como uma área de luxo, para pessoas ricas, um profissional que atuava mobiliando e enfeitando ambientes, mas eu descobri que isso estava completamente errado, não é isso que é ser arquiteto, nós não enfeitamos casas como se fossem bolos de festa, nós projetamos espaços funcionais e confortáveis para as pessoas viverem!

Seja este espaço a área interior de uma edificação, ou a própria edificação, ou ainda uma praça, um parque ou até mesmo atuamos no planejamento de cidades, da pequena até a grande escala o arquiteto projeta para oferecer qualidade de vida para as pessoas.

E não tem haver apenas com estética e sim com uma noção ampla do espaço, da sua funcionalidade e utilização pelos clientes, de materiais e técnicas construtivas, de sua relação com o entorno.

Enfim, de aspectos físicos, sociais, culturais, ambientais, econômicos, legislativos, tudo isso para oferecer um espaço que seja confortável, agradável e acima de tudo funcional.

Na faculdade a arquitetura é definida e apoiada por um tripé cujas bases são: firmitas, utilitas e venustas, ou seja, estrutura, utilidade e beleza.

A arquitetura pode ser resumida como a arte de projetar e organizar espaços para abrigar as diversas atividades humanas, espaços estes internos e externos, edificações de todos os tamanhos, alturas, estilos e finalidades. Desde banheiros, salas, quartos, cozinhas, casas, prédios, lojas, restaurantes, hospitais, estádios, aeroportos, hotéis, parques, praças e tudo o que você possa imaginar que abriga atividades humanas.

Onde tem pessoas tem arquitetura, portanto arquitetura não é um artigo de luxo, ela é essencial, é social, é pública, é privada, é um abrigo, uma proteção, um facilitador e um agregador da vivência humana.

E através do desenho do espaço o arquiteto promove o encontro ou o desencontro, promove a privacidade ou coletividade, promove a igualdade ou a hierarquia, promove a saúde ou a doença. Pois a arquitetura esta ao nosso redor, para o bem ou para o mal, feita por arquitetos e amadores a arquitetura nos influencia de maneiras inimagináveis, em nossos aspectos psicológicos, condicionando nossas ações e afetando a nossa saúde.

Está vendo só como arquitetura não pode ser resumida como uma decoração de bolo, um glacê, pasta americana ou chantilly, porque arquitetura tem recheio, tem cor, sabor e tem vida e tem propósito.

Cada projeto arquitetônico, cada linha no papel tem um significado de ser, tem um propósito, uma função.

Então a próxima vez que disserem pra você que tu vai ficar brincando de LEGO na faculdade, manda essa pessoa se … se informar melhor aqui no ArquiDicas, claro! Manda links.

O que faz um arquiteto?

O arquiteto faz tudo menos dormir, a profissão do arquiteto é estar sempre pesquisando e procurando pela melhor solução para atender as demandas dos seus clientes, e ele faz isso lendo muito, conversando e observando o comportamento social das pessoas. Sim, nós observamos você!

O curso de arquitetura deveria seriamente incluir algumas matérias de psicologia, não é a toa que arquitetura fica entre humanas e exatas, porque no final nós estamos projetando para as pessoas, transformando expectativas em realidade, concretizando sonhos.

Mesmo que você tenha que discutir argumentar com o cliente porque nem sempre o que ele quer é o que ele precisa.

E o arquiteto tem que conciliar diferentes necessidades e pontos de vista dos clientes e dos parceiros, sempre levando em consideração as condicionantes do projeto.

O que são condicionantes? São fatores que limitam o projeto, questões financeiras, legislativas, espaciais, ambientais, etc. Que muitas vezes até determinam a arquitetura projetada.

Independente do projeto, do seu porte e da sua finalidade em geral o projeto de arquitetura é dividido em algumas fases que ajudam o profissional a compreender as necessidades do cliente, as condicionantes e a partir para o planejamento do espaço.

Fases do Projeto Arquitetônico

O projeto arquitetônico é dividido em:

Programa de Necessidades: Nesta fase ocorrem as primeiras conversas com o cliente onde são definidas as necessidades de espaço, de vivência, de setores, valores estéticos, culturais, etc.

Como também é feito o levantamento de dados físicos do terreno, com fotos, vídeos, medições, análise do entorno, da orientação solar, ventilação, ruído, vegetação, e tudo o que possa influenciar no projeto. Também questões legais, os usos permitidos, permissíveis e proibidos, aqui entra um estudo sobre a natureza do terreno, da região, da documentação imobiliária que contém dados importantes que podem condicionar e até inviabilizar o projeto.

Aqui o arquiteto junta um muita informação que tem que ser processada, mapas de curva de nível do terreno, limites, área, etc. Para os urbanistas então, é uma tonelada de arquivos.

Estudo Preliminar: Nessa fase a informação já foi analisada, o profissional busca referências conceituais e lança os primeiros traços do que virá a ser um esboço inicial do projeto, expressando isso por meio de croquis, esquemas, gráficos, maquetes, etc.

Tudo isso pode ser analisado e discutido junto ao cliente, uma fase de criação. E o interessante é que toda aquela informação que condiciona o projeto é positiva de certa forma, pois oferece um ponto de partida para o arquiteto, um direcionamento. O que evita a síndrome do papel em branco, o bloqueio criativo.

Tem arquitetos que reclamam das condicionantes, mas sem isso seria muito mais difícil criar, imagino Oscar Niemeyer quando Lúcio Costa disse: Tá aqui “filhão”, projeta ai, o terreno é esse. (me referindo a Brasília)

Só para contextualizar Lúcio Costa foi o urbanista de Brasília com quem Oscar Niemeyer havia anteriormente trabalhado e a quem foi destinado o projeto dos edifícios locais, uma cidade construída do zero, com poucas condicionantes, apenas o objetivo de centralizar o governo brasileiro.

Anteprojeto: No anteprojeto aquelas ideias conceituais anteriores começam a tomar forma de arquitetura, com plantas, cortes, elevações, enfim desenhos que já ordenam o espaço de forma legível com medidas, áreas, especificações iniciais.

Esta ainda é uma fase de alterações intensas e longas conversas com o cliente até a aprovação final do projeto.

Projeto Legal: O projeto legal como o nome já diz tem haver com legislação, normas técnicas, aprovação dos órgãos públicos, nesta fase o projeto esta com medidas e pronto para ser aprovado pela prefeitura local.

Projeto Executivo: Já o projeto executivo é um manual de construção, aqui o projeto arquitetônico está detalhadíssimo, para que o mestre de obras (que é o cara que comanda a obra) saiba exatamente onde vai cada parafuso.

Na fase do projeto executivo o projeto de arquitetura é compatibilizado com os projetos complementares: estruturais, hidráulicos, elétricos, gesso, etc.

O arquiteto é o responsável por esta compatibilização, para não haver erro, nenhum cano de esgoto passando no meio do pilar, nenhum vaso sanitário com degrau.

Aqui são feitos detalhamentos em cima de detalhamentos e as pessoas leigas podem não entender a complexidade das plantas e referências do projeto.

E por fim, hoje após a construção o proprietário do imóvel ganha um documento que é chamado de As Built, que é semelhante a um manual de automóvel que trás toda a documentação e alterações feitas no imóvel (quando se trata de edificações).

Atribuições dos Arquitetos

É atribuição dos arquitetos:

  • O levantamento de dados e o estudo de viabilidade técnica e ambiental;
  • Prestar consultoria, assessoria, vistoria, perícia, avaliação, monitoramento, laudo, parecer técnico, auditoria e arbitragem;
  • O projeto e organização dos espaços internos e externos, determinando técnicas e materiais construtivos;
  • A supervisão, gerenciamento, acompanhamento e orientação de obras de construção e reforma (uma função compartilhada com a engenharia);
  • Determinar técnicas construtivas e materiais;
  • Realizar o orçamento, gerenciamento de custos e de mão de obra;
  • Treinamento, ensino, pesquisa e extensão universitária.

E outras atividades que são descritas pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) e pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), órgãos que regulamentam a profissão da arquitetura.

Área de Atuação dos Arquitetos

Eu já falei um pouco sobre algumas áreas em que os arquitetos atuam: edificações, paisagismo, urbanismo, interiores e restauração. A atuação profissional está diretamente relacionada com as diretrizes curriculares universitárias, ou seja, depende da grade curricular que a instituição de ensino oferece.

Nem todo arquiteto é urbanista, apenas os que tiveram uma formação de arquiteto e urbanista dentro da sua grade curricular.

Contudo o ensino da arquitetura no Brasil, sempre priorizou a formação de um profissional multidisciplinar envolvendo diversos campos de estudo, e sem entrar no mérito da questão se isso é positivo ou negativo para formar bons profissionais, atualmente existe uma corrente de pensamento e instituições que oferecem cursos com formação especializada, por exemplo: graduações exclusivas em arquitetura de interiores, ou restauro, ou em outros campos que são um fragmento do que é considerado o campo de abrangência de um arquiteto urbanista.

Essa corrente defende que não é necessário ter uma formação global da arquitetura, que uma formação especializada ganha em qualidade ao invés de oferecer uma formação completa e com pouca ênfase em campos específicos. Aquela ideia de que quem faz de tudo não faz nada direito.

Mas, a arquitetura tem uma forte veia no período do renascimento e na ideia de um “homem polímata”, ou também chamado de homo universalis (homem universal), onde predomina a ideia de que o conhecimento não deve ser restrito a uma área e sim ter um conhecimento vasto em vários assuntos, uma formação completa.

Eu confesso que fico completamente dividida – talvez por ser geminiana :p. Já que ao mesmo tempo em que acredito que a ênfase em uma disciplina favorece a qualidade de estudo, por outro lado eu acredito que ter uma visão do todo abre a mente para novas possibilidades, novas soluções.

E talvez por acreditar que a educação não se limita a faculdade eu fico dividida, entre uma graduação especializada e a possibilidade de um estudo multidisciplinar posterior ou a formação universal da arquitetura e a possibilidade da especialização pós-graduação.

Em todo o caso estas são as principais áreas de atuação dos arquitetos:

Arquitetura de edificações, arquitetura de interiores, restauro, urbanismo, paisagismo, luminotécnica, design de móveis e produtos, tecnologia da construção, soluções acústicas e de sonorização, soluções térmicas, soluções em automação, projetos de gesso, topografia, entre outras.

Arquitetos Famosos

Quem não ouviu falar de Oscar Niemeyer, o centenário arquiteto brasileiro que projetou maravilhosas edificações em Brasília, mas o Brasil não é feito só de arquitetos modernistas como Niemeyer, Paulo Mendes da Rocha e Vilanova Artigas (FAUUSP).

A arquitetura contemporânea ganha uma nova cara na mão de arquitetos brasileiros de destaque como: Arthur Casas, Brasil Arquitetura, Carla Juaçaba, MMBB Arquitetos, Ruy Othake, UNA Arquitetos, entre outros bons arquitetos nacionais.

O que é Urbanismo?

Urbanismo é o ordenamento territorial urbano, é a arquitetura na macro escala, em muitos países a formação do urbanista é distinta da arquitetura, mas aqui essa formação segue unida, por isso, a sigla AU é usada nas universidades (Arquitetura e Urbanismo).

Em urbanismo as áreas de atuação profissional mais comuns são: parcelamento do solo (leia-se loteamento, desmembramento e remembramento de terrenos), inventário urbano, regularização fundiária, projetos no sistema viário, estacionamentos, acessibilidade urbana, mobiliário urbano, iluminação pública, comunicação visual pública, sistemas de mobilidade urbana, sinalização, planejamento de uso e ocupação do solo, planejamento e levantamento da necessidade de habitações de interesse social, proteção ambiental, compatibilização viária, alterações no zoneamento, etc.

O urbanista atua juntamente com uma série de profissionais: sociólogos, biólogos, economistas, políticos, engenheiros de tráfego, engenheiros sanitários, paisagistas, advogados, entre outros. Junto á eles os urbanistas planejam a cidade, o zoneamento, o uso e a ocupação do solo, a mobilidade urbana, sempre pensando no coletivo, lidando com leis, consultas públicas, políticos, etc.

Atuam também no planejamento e desenvolvimento regional, na relação entre as cidades, entre estados.

Faz parte do setor público, mas também pode atuar no setor privado para a compatibilização urbana de grandes projetos, em projetos de mobilidade, no parcelamento do solo para empresas de loteamentos.

Urbanistas Famosos

Como exemplo de urbanistas famosos  eu já citei um o arquiteto e urbanista Lúcio Costa, que fez o Plano Piloto de Brasília e eu como uma curitibana orgulhosa gosto de citar também o Urbanista Jaime Lerner, que é reconhecido internacionalmente pelos seus projetos urbanos aqui e no mundo, principalmente pela solução de transportes adotada em Curitiba com as canaletas de uso exclusivo para ônibus e por ser um idealizador do IPPUC – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, uma instituição exemplar na área de urbanismo.

Se você pretende ser um urbanista venha conhecer Curitiba e a biblioteca recheada de bons projetos do IPPUC.

O que é Paisagismo?

O paisagismo planeja e organiza a paisagem e atua desde o planejamento do jardim privado residência, até as praças, parques, reservas ecológicas e ambientais, ordenando o espaço que pode ter por finalidade a preservação ambiental, o uso público ou privado.

Sendo o paisagismo a área da arquitetura que promove a sociabilização urbana, pois os parques e praças são pontos de encontro social.

Em menor escala o paisagista atua junto a profissionais de jardinagem e de arquitetura de edificações, em grande escala ele atua ao lado de urbanistas, biólogos, engenheiros florestais, sociólogos, entre outros profissionais.

Para ser um paisagista é necessário ter um amplo conhecimento em botânica, uma coisa que a faculdade de arquitetura não ensina e que o profissional deve buscar aprender.

Mas, nem só de plantas de faz uma paisagem, na verdade existe também o chamado paisagismo seco, sem a presença vegetal, pense em um deserto, mesmo na ausência de vegetação o deserto não deixa de ser uma paisagem.

Assim como o Memorial aos Judeus Mortos na Europa, em Berlim, uma praça seca projeto do arquiteto paisagista Peter Eisenman.

Paisagistas Famosos

Aqui no Brasil vou citar três paisagistas de destaque: a Rosa Kliass, uma mulher pioneira fez história ao fundar a Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas – ABAP em 1975, entre seus inúmeros projetos estão o Parque da Juventude em São Paulo e a reforma no vale do Anhangabaú.

Também artista plástico Roberto Burle Marx que marcou o paisagismo brasileiro entre 1934 e 1990, entre as inúmeras obras destacam-se o primeiro parque ecológico do Recife em 1937, o paisagismo do Museu de Arte Moderna do RJ e o Eixo Monumental em Brasília.

Como eu trouxe dois paisagistas com forte atuação na macro escala a terceira referência é contemporânea e atua no paisagismo residencial, a paisagista Renata Tilli, considerada a “paisagista dos famosos” por ter feito o jardim da residência da atriz Carolina Dieckmann entre outros, ela atua sempre junto a grandes arquitetos, em projetos residenciais como a Casa MM, Casa Cobogó, Casa P.

O que é Arquitetura? Vídeo

Para finalizar eu gostaria de resumir tudo isso em um vídeo animado que de uma maneira divertida resume um pouco do que eu falei aqui feito pela Federação Nacional dos Arquitetos e Urbanistas – FNA

Se você tiver alguma dúvida sobre a profissão de arquiteto, sobre a formação, faculdade, manda ai nos comentários, escreva sua opinião, deixe o seu recado.

Um grande abraço e te espero em outros posts do ArquiDicas.

Fernanda Knopik

Fernanda Knopik é Editora-Chefe do ArquiDicas e idealizadora do site, acredita que a Arquitetura é essencial na vida das pessoas, pois tem o poder de transformar e melhorar o modo como elas de relacionam. É formada em Arquitetura e Urbanismo pela PUC-PR.

Comentários

  • Por favor, estou sem saber o que fazer. O problema é que fiz um projeto de ampliação da casa e depois de tudo pronto no projeto resolvi colocar uma porta no lugar de uma janela. Mas não sei se isso é permitido fazer uma vez que na planta deveria ser uma janela e não uma porta. Posso simplesmente colocar essa porta no lugar que deve ser uma janela ou devo fazer um novo projeto? Por favor se vc puder me ajuda serei muito grato por isso

    • Quando se contrata um arquiteto para fazer um projeto arquitetônico o DWG deve ser entregue ao cliente no final do processo, inclusive no caso desse cliente contratar serviços complementares de interiores, gesso, automação residencial, etc. Onde esse arquivo de CAD é encaminhado para o especialista que irá fazer o projeto complementar. Porém, o DWG é um arquivo que requer o uso de um software de CAD, o que uma pessoa leiga dificilmente vai saber usar. Por isso, os arquivos também são entregues em PDF e plotados (impressos). Agora quando se compra um projeto pronto desses que você encontra na internet, possivelmente o DWG não vem junto, porque a aprovação de um projeto junto a prefeitura requer necessáriamente um arquiteto responsável que assine o mesmo. Espero ter respondido sua dúvida. Um grande abraço.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.